Blog

O que é RAID? Quais são os tipos de RAID?

computador

Quem trabalha com armazenamento de dados e segurança da informação certamente já deve ter se deparado com o termo RAID pelo caminho. Porém, embora alguns cheguem a utilizar os seus conceitos, nem todos sabem exatamente o que é RAID e quais são os tipos de RAID que existem.

Compreender o funcionamento desse mecanismo é importante para descobrir como esse sistema é capaz de proporcionar mais segurança e desempenho às suas aplicações.

Vamos explicar em detalhes para você não apenas o conceito, mas também quais são os diferentes tipos de RAID que existem. A ideia é bastante simples e depois de entender o que significa cada item fica mais fácil compreender a lógica do seu funcionamento.

O que é RAID?

RAID é uma sigla em inglês para Redundant Array of Inexpensive Disks. Em tradução direta, o termo quer dizer algo como Matriz Redundante de Discos Independentes.

Ficou ainda mais perdido? Calma. Traduzindo essa informação: trata-se da combinação de vários discos rígidos, os populares HDs, de maneira que eles formem uma única unidade lógica. Dessa forma, os mesmos dados que são armazenados em um disco estão disponíveis em outro.

Em outras palavras, quando vários HDs funcionam como se fossem um só, temos uma RAID. E por que isso é útil? Em caso de falhas em um disco, os demais vão continuar em funcionamento, evitando que as informações se percam ou que haja interrupção no acesso aos dados. Assim, podemos dizer que o RAID proporciona mais segurança e mais desempenho. Ele pode funcionar como um mecanismo de redundância, por exemplo.

Quais são os tipos de RAID que existem?

Existem vários tipos de RAID que podem ser realizados com discos de armazenamento. Cada um tem uma finalidade distinta. Alguns são mais focados em desempenho enquanto outros em segurança. Não há uma escolha “certa” a se fazer, uma vez que cada ocasião e circunstância vai pedir uma decisão diferente. Em linhas gerais, temos os seguintes RAIDs:

RAID 0

Também conhecida como “fracionamento”. Nesse caso, os dados disponíveis são divididos em pequenos segmentos e distribuídos pelos discos. Aqui não há redundância e, portanto, não há tolerância a falhas.

O que significa que em caso de problemas pode haver perda de dados. Por outro lado, essa característica melhora a performance do computador porque ele acessará os dados mais rapidamente.

Vantagens:

  • Muito rápido para acessar a informações
  • Tem custo baixo em expansão de memória

Desvantagens:

  • Não tem espelhamento
  • Não faz paridade de dados
  • Caso alguns dos setores do HD apresente falha, o arquivo que está dividido pode se tornar irrecuperável

RAID 1

Neste modelo, a base é o espelhamento de um disco em outro. Em outras palavras, é como se houvesse uma cópia do disco A no disco B e vice-versa. Além da vantagem de ser mais seguro em relação ao RAID 0, praticamente não há perda de desempenho. Por conta disso, esse formato é amplamente usado em servidores.

Vantagens:

  • Segurança nos dados (com relação a defeitos do HD)
  • Caso algum setor falhe, você consegue recuperar copiando os arquivos de outro HD

Desvantagens:

  • Tem espelhamento
  • Não é usada paridade
  • Escrita é mais demorada
  • Custo mais alto em relação ao RAID 0

RAID 2

Pouco usado, o RAID 2 praticamente caiu em desuso porque os novos HDs já saem de fábrica com mecanismos similares a ele e que impedem certas falhas. O que esse sistema faz é detectar falhas em discos rígidos e, sendo assim, passa a funcionar para checagem de erros. Em resumo, todos os discos são constantemente monitorados por esse mecanismo.

Vantagens:

  • Usa a tecnologia ECC (Código de Correção de Erro), o que diminui a quase 0 as taxas de erros mesmo com falha energética

Desvantagens:

  • Os HD atuais já possuem essa tecnologia nativamente
  • Dependendo da configuração, pode haver desperdício de espaço

RAID 3

Aqui todos as informações são divididas nos discos da matriz. A exceção fica por conta de um deles, que se torna responsável por armazenar dados de paridade. Suas maiores vantagens são possibilidade de transferências de grandes volumes de dados e confiabilidade na proteção das informações.

Vantagens:

  • Lê e escreve muito rápido
  • Possui controle de erros

Desvantagens:

  • Sua montagem via software é mais complexa

RAID 4

O RAID 4 é similar ao RAID 3, mas aqui os dados são divididos entre os discos. A grande sacada dessa versão está na possibilidade de reconstrução dos dados por meio do mecanismo de paridade. É a opção mais indicada quando falamos de arquivos grandes, pois é o que melhor garante a integridade das informações.

Vantagens:

  • Taxa de leitura muito rápida
  • Você pode aumentar a área de discos físicos

Desvantagens:

  • Taxa de gravação é mais lenta
  • Em comparação ao RAID 1, sua reconstrução em caso de falha no disco é mais complexa
  • Tecnologia antiga em comparação aos sistemas mais novos

RAID 5

O RAID 5 é a evolução natural das versões 2, 3 e 4. Aqui, o espaço equivalente a um disco inteiro é reservado para armazenar as informações de paridade.

O sistema aqui é mais complexo e a paridade é armazenada de forma alternada em vários discos. Assim, se qualquer um deles tiver algum problema, basta acionar um processo chamado rebuild para recuperar todas as informações.

Vantagens:

  • Mais rápido pra identificar erros
  • Leitura rápida

Desvantagens:

  • Escrita lenta
  • Sismtema de controle de discos mais complexo

RAID 6 (Dual Parity)

É basicamente o mesmo caso do RAID 5, mas com o dobro de bits de paridade. Nesse caso, mesmo que dois HDs falhem ao mesmo tempo, os dados não serão perdidos. Trata-se de uma das alternativas mais seguras disponíveis.

Vantagens:

  • Possibilidade de falhar 2 Hds ao mesmo tempo sem perda de dados

Desvantagens:

  • Precisa de pelo menos 3 Hds para ser implementado por causa da paridade
  • Sua escrita é mais lenta
  • Controle de dados também é complexo

RAID 10

Por fim, temos o RAID 10, um sistema que empresta características dos RAIDs 0 e 1. Esse sistema só pode ser usado com mais de 4 discos e sempre em número par. Nesse caso, metade dos discos armazena dados e metade faz cópias deles. É o mais seguro que existe entre todos.

Vantagens:

  • Segurança contra perda de dados
  • Pode falhar um ou dois HDs ao mesmo tempo (dependendo de qual avaria)

Desvantagens:

  • Alto custo de expansão
  • Drivers devem ficar em sincronismo de velocidade para ampliar a performance

É simples, mas é muita informação técnica, não é mesmo? Ficou alguma dúvida? Deixe um comentário ou entre em contato acessando cbltech.com.br

A CBL Tech é especializada em recuperação de dados, não somente em HD, como também em fitas magnéticas, pendrives, SSD e vários outros tipos de tecnologia. Líder global no mercado, a empresa dispõe de dez laboratórios no Brasil – em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Campinas, Salvador, Brasília e Manaus.

Quando acontece algum problema no disco rígido ou em seus arquivos armazenados, é importante não tentar consertar por conta própria. Isso porque, ao abrir a mídia ou tentar mexer em seus componentes, você estará comprometendo ainda mais os seus dados, dificultando sua recuperação.

Comment Facebook
Post Relacionado