Tecnologia DLT

A DLT é derivada dos cartuchos TK50 e TK70 ½”, desenvolvidos pela DEC (Digital Equipment Corporation) para suas estações de trabalho MicroVAX II, na década de 1980. A fabricação e desenvolvimento da fita DEC foi posteriormente adquirida pela Quantum Corporation, em 1994. Desde o lançamento inicial das TK50/TZ30 em 1984, a capacidade da mídia e formato nativo cresceu de 100MB por fita (não-comprimido) para a capacidade DLT-S4, nativa de 800GB por fita.

O desenvolvimento das DLT se dividiu alguns anos atrás, com o surgimento da Super DLT (S-DLT), que visava o topo do mercado, e da DLT1 (mais tarde VS80, VS160, …), que foi uma unidade de armazenamento com um menor custo de produção e que visava a lacuna de mercado deixada pelo progresso da 4mm DAT.

A DLT1 foi originalmente produzida por uma empresa separatista da Quantum, chamada Benchmark. Porém, a Quantum logo comprou a empresa de volta e evoluiu com o desenvolvimento da sua gama de produtos.

A mais recente adição para a série DLT foi a DLT-S4, com uma capacidade de armazenamento comprimido de 1,6 TB. A Quantum afirmou que essa, ou a DLT-S5, será o fim da linha para a DLT, já que a LTO Ultrium ganhou a batalha pelo topo deste mercado.

Como a DLT Funciona

A DLT usa o método de gravação serpentina/linear (em oposição com a metodologia de varredura helicoidal empregada pelas DAT, AIT, Exabyte). A mídia de gravação é de 1/2” (1,27 centímetros) e está alojada em um cartucho de aproximadamente 4” (10,5 centímetros) quadradas. A capacidade de gravação da mídia aumentou imensamente desde a sua criação, de 600MB em CompacTape para 800GB em DLT-S4.

Acima: Gravação Linear/Serpentina

Como acontece com muitos outros tipos de mídia onde a gravação linear é utilizada, os dados são gravados como uma sequência de faixas que são executadas alternadamente, para a frente e para trás, ao longo da fita. Esta técnica é conhecida como a gravação serpentina. Ao contrário da maioria dos formatos de discos de gravação helicoidais, pelo tempo que o fim lógico da fita for atingido, a mídia volta ao início fisicamente.

A mídia está em um único carretel, ao contrário das fitas cassete, e a fita é desenhada dentro do case e enrolada em torno de um carretel dentro da unidade.

Recuperação de Dados de Fitas DLT

A DLT tem sido aceita como um meio resistente e robusto, e seu pedigree no topo do mercado de armazenamento comprova isso. Como acontece com qualquer meio de armazenamento, no entanto, as coisas podem dar errado. Falhas na unidade podem danificar a fita, o uso excessivo pode resultar em falha da mídia, a sujeira e a poeira podem ter um efeito abrasivo, e o erro humano também é um fator que está sempre presente.

A recuperação dos dados a partir de fitas DLT danificadas é muito complicada, devido ao método de gravação serpentina que é utilizado. Uma vez que várias faixas são registradas ao longo das fitas, alternadamente para trás e para a frente, os danos para a fita têm o efeito de provocar problemas de leitura em várias posições da fita. É simples, se houver 1GB de dados gravados ao longo de cada faixa de uma fita e a mídia tem 50% do seu caminho danificado, então haverá problemas de leitura da fita a 500 MB, 1,5 GB, 2,5 GB e assim por diante.

Isso é mais perceptível se a fita for forçada ou estiver estalando, mas se houver problemas resultantes do uso excessivo da fita, qualquer ponto em que a mídia é gravada torna-se desgastado, e provavelmente isso vai atravessar várias faixa, podendo ocorrer o mesmo que foi citado acima.

Sempre que uma DLT é reinicializada ou sobregravada, pode haver o efeito de muitos gigabytes de dados perdidos como resultado de alguns megabytes (ou mesmo alguns bytes) sendo escritos. Assim como todas as fitas modernas, a última coisa que você escreve é a última coisa que você pode ler. Se você reinicializar uma fita, em seguida, todos os dados mais antigos serão considerados indisponíveis e só poderão ser acessados usando um serviço de recuperação de dados.

Voltar